quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Editorial


É chegada a hora da decisão. A câmara de vereadores que passa por uma reforma administrativa por conta de ações da oposição, terá o número de CCs reduzido a partir do ano que vem. O ministério público, a partir de denuncias que foram encaminhadas por vereadores oposicionistas, desenvolveu ao longo do ano várias reuniões. Felipe Netto foi a câmara solicitar mudanças para aquilo que chama de exagero no que diz respeito ao número de servidores em cargos em comissão na casa. Passados cerca de 10 meses de discussão, a decisão parece estar próxima de ser tomada. O número que era de 17 CCs, já caiu para 14, mas a promotoria de justiça e defesa comunitária, quer que ele chegue a 4 no Maximo 5 no ano que vem. Do presidente Luis Tito Varaschini ouvimos hoje que uma contra-proposta foi enviada ao MP, e que nela há um pedido para que o número fique em pelo menos 7 CCs na mesa diretora, e que os cargos não sejam extintos tendo em vista que no ano que vem a eleição municipal deverá levar a câmara em 2013, 15 vereadores. Trata-se de equacionar uma situação que envolve diretamente o gasto do dinheiro público. O ASSUNTO CCs é predominante na municipalidade atualmente. No executivo, o prefeito não confirma, mas até o fim do ano, segundo fontes vai cortar pelo menos Metade do numero de 102 apontados pelo tribunal de justiça como cargos inconsistentes na administração. O fato é que nesta legislatura, a oposição é mais atuante e as decisões que vem sendo tomadas pela justiça mesmo que sejam apenas indicações como é o caso do MP em relação a câmara estão sendo tomadas pela intervenção da oposição que busca preservar o bem publico e o dinheiro publico, em detrimento de ações que possam promover o bem estar da população no que tange a saúde, infraestrutura, educação e assistência social. PARECE que a era dos CCs na municipalidade de forma exagerada está para acabar, porque para não arcar com prejuízos políticos ali na frente, os gestores atenderão ao clamor daqueles que apontaram as inconsistências.

Nenhum comentário:

Postar um comentário